Argonautas Pólo Pará

Argonautas, entre os gregos, eram os pilotos navegantes do barco Argo, navio veloz que os conduziu a inúmeras expedições, batalhas e descobertas de mares e continentes distantes. Corajosos e intrépidos, os argonautas arriscavam-se para conquistar o “tosão de ouro” ou “Velocino”, que simbolizava prosperidade e sabedoria para o povo que o possuísse.

São consagradas na mitologia grega as batalhas que os argonautas se envolveram, como a da Bitínia onde livraram o povo do déspota e tirano rei Amico; ou em Dólios, onde derrotaram gigantes de seis braços, filhos da terra. Foi o poeta latino Sêneca quem expressou a importância da impetuosidade dos argonautas ao falar de Tífis, um dos pilotos do navio: “Tífis teve a audácia de desdobrar as primeiras velas sobre a imensidão dos mares e ditar novas leis aos ventos…”.

Mesmo na Amazônia é conhecida na mitologia indígena a lenda de um barco poderoso e veloz pilotado por deuses, guerreiros e guerreiras que criaram várias tribos à beira do rio Amazonas e fecundavam a floresta com animais e alimentos.

A mitologia grega serviu de inspiração para a criação da organização não-governamental sem fins lucrativos Argonautas Ambientalistas da Amazônia, fundada em 14 de agosto de 1992, no campus da Universidade Federal do Pará, em decorrência da mobilização para a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como ECO-92.

Com a finalidade de defender o meio ambiente e promover o desenvolvimento local sustentável, a cidadania e a democratização das relações sociais, humanas, econômicas, políticas e culturais da Amazônia, os Argonautas, ao longo de seus 15 anos, contribuíram para o meio ambiente e a qualidade de vida no Pará.

Os Argonautas já implementaram programas de desenvolvimento local em nove municípios do Estado do Pará (Marapanim, Maracanã, Magalhães Barata, Jacundá, Praínha, Brejo Grande do Araguaia, Palestina do Pará, Paragominas, Rondon do Pará) e reforçaram programas já implantados em outros seis municípios (Muaná, Mojú, Jacareacanga, Tucumã, Portel e Oeiras do Pará), através de parceria com o Governo Federal, Governo do Estado, SEBRAE e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO.

Através de parceria com a Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Câmara Municipal de Belém, os Argonautas atuaram na discussão e elaboração de propostas de ações que incidiram sobre a política ambiental da cidade, especialmente as relacionadas a balneabilidade das praias, poluição sonora, contaminação da bacia hidrográfica por óleo queimado, entre outros. Com a Assembléia Legislativa, os Argonautas discutiram e elaboraram projetos de lei para ampliar e democratizar o Conselho Estadual do Meio Ambiente e regulamentar a produção e comercialização de produtos transgênicos no Estado do Pará.

A educação popular ambiental e a educação profissionalizante também fazem parte do projeto político dos Argonautas Ambientalistas da Amazônia, promovendo a formação de jovens para a proteção do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, através do ecoturismo, protagonismo juvenil, patrimônio histórico e cultural, dentre outros.

Projetos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s